domingo, 5 de julho de 2009





In 1984, from San Diego-CA, Détente was formed. Using lyrics such as life, feelings, war and violence, they started to play in little houses in Los Angeles-CA and showed the thrash/speed metal force in their songs. And to recover a little bit of the 80's story, with you one of the main legends of the american metal: Steve Hochheiser (bass), just for old time's sake!
By Edson F. Melo

1 - Steve, how do you feel yourself being part of one of the more legendaries and classics american metal bands ?

I am proud to be part of DETENTE and proud to have been part of the early Thrash and Crossover scene. I am also somewhat suprised when I hear how many people have such respect for DETENTE now, in the early days we received a lot of praise from critics and musicians, but a lot of people did not understand the political and self reflective nature of the band; we were somewhat outside of the scene in the early 80’s.

2 - The album: "Recognise No Authority" (1986), is a great stuff to the metal history. How was the composition process of this album?

Recognize No Authority was recorded in about 8 days; we found a graet studio, Baby O, that we could not really afford so we would begin recording after the mangement team left about 9:30 pm each night and leave before 8 am. We paid off the staff with 20 a day and beer to report that we only used 4 hours when we were using 10! It was very intense and experimental; we were playing around with sampling and really changed the context of the songs.We recorded the basic tracks live in one take and then did the lead, vocal, and mixdown with the remaining time.

3 - Is there any curiosity about Détente that you can tell us, to show a little about the band history to the fans?

Dennis Butler and Dawn Crosby just changed the name of the band from Allies to Detente and had two shows booked if the S.F. Bay area at the legendary Mabuay Gardens and Ruhies Inn; Problem is they had lost their Guitarist and Bassist. Ross Ronison and I responded to an ad in a local paper around the same time; they had a demo with 3 songs to show us which included Shattered Illusions and Vultures in the Sky but had no other material. We had about a month tp prepare for the shows so Ross and I began writing the music and Dawn the lyrics we played everyday and put together Losers, Murder Inc (unreleased but you can see the video on you tube) and Widow’s Walk. We played with Blind Illusion and Control and people went nuts; we meet the guys from Metallica and Exodus at this time and just had a great time. After this we started writing new material and went into the studio to record Widow’s Walk and a new song I had Just Written, Holy War. We combined the two new song and the old demo and sent it to all of the zines. Kerrang, Aardshock, Metal Forces, and Rock Hard all jumped on board and began supporting the band. Soon afterwords we had label interest from all of the independents.

4 - Steve, how you guys felt about losing Dawn Crosby (1963-1996), a guy who was with Détente since the begining?

I was very sad when I found out; I had not seen her for a couple of years so I found out from a friend. She was difficult to work with at times but still a great person and talented artist; she just had a drug and drinking problem that was out of control. We all wish she would have made it but it was not meant to be; so many friends from the time were lost.

5 - In your opinion, what represents the Détente work and the album "Recognise No Authority" (1986)?

Détente was about writing and playing the songs we wanted to play; we never tried to please anyone or worried about whether the metal crowd or punk crowd would accept us so you ended up with music that was hard to label; if you listened to Blood I Bleed or Losers you might think we were Punk; if you listened to Holy War, It’s Your Fate, or Catalepsy maybe Thrash; Vultures in the Sky or Russian Roulette maybe Power Metal. Throw in the Political Elements and a Female singer and we were just far different from the mainstream. This commitment to being true to ourselves is what made us unique and I believe is why the music still sounds fresh today.

6 - Détente has a lot of fans in South America and in Brasil, are there any plan to play in these places?

I hope so. After the new CD we will tour Europe and do our best to get to Brazil and Colombia; thank you to everyone for the great support. I wish the US had half the heart of South America!

7 - How is the record process of “Decline”, announced in may?

We have written most of the music and will begin recording with Bill Metoyer in acouple of weeks; he has been moving his studio. The material is bit rawer then Recognize but undeniably Détente. If people are wondering if we have matured I think not! I will get to the end of my life without a ballad and be quite proud of it!

8 - About a second guitar player, there was the announcement in your site, how is this selection process?

We have had a lot of interest but have not found the right person. Everyone gets along great in the band so we are looking for the right personality as well as player. If we have to remain a 4 piece we are not concerned.

9 - In 2008 was released the compilation: Détente - History I (Cognitive Records), how was the acceptance of that?

History 1 is selling very well and has also received great reviews. I think people like getting a chance to hear us in our rawest form with the original demo and a glimpse of where we were headed with the Catalepsy material; Obituary Fear and An Offering were being written for the second Détente record.

10 - A message to Détente's fans.

We appreciate the support and hope to meet as many of you as we can over the next year. Last year in Germany we met so many people you came from around the world not knowing if we would play again; well we plan on bringing Détente to as many places as we can next year and look forward to sharing many beers and stories. Everyone can reach us at and; don’t be shy!

Steve, once more, thanks for the interview and for the time conceded to us. I wish you good luck and long life to Détente!

Thank you Edson and HEAVY’OLUTION for taking the time to speak with me.
Edson F. Melo

Em Português / In Portuguese

Em 1984 surgiu em San Diego-CA a banda Détente, usando em suas letras temas como a vida, sentimentos, guerra e violência, começaram tocando em pequenas casas de show em Los Angeles-CA e mostraram a força do thrash/speed metal em suas músicas. E para matar a saudade de todos os fãs e recuperar um pouco da história dos anos 80, com vocês uma das maiores lendas americanas do metal: Steve Hochheiser (baixo) membro da Détente!
Por Edson F. Melo

1 - Steve como você se sente fazendo parte de uma das maiores lendas e mais clássicas bandas do metal americano?

Fico orgulhoso por fazer parte da Détente e orgulhoso de ter sido parte da primeira da cena de thrash e crossover. Fico também um tanto surpreso quando vejo quanta gente tendo tal respeito ao Détente agora, No começo recebemos muitos elogios de críticos e músicos, mas muita gente não entendeu a parte política e mesmo auto-reflexiva da banda; fomos um tanto fora da cena no início dos anos 80.

2 - O álbum "Recognise No Authority" (1986), é um marco para a história do metal, como foi feita a composição deste álbum?

“Recognize No Authority” foi gravado em aproximadamente 8 dias; encontramos um grande estúdio, Baby O, e realmente não podíamos deixar isso passar, assim começamos a gravar depois da equipe de management sair, por volta das 21h30 toda noite, e saíamos antes da 8h00. Pagávamos o pessoal com $ 20,00 dólares por dia e cervejas para informar que só usávamos 4 horas quando na verdade eram 10! Foi muito intenso e experimental; brincávamos com os samples e realmente modificávamos o contexto das canções. Gravamos as faixa básicas em uma tomada só, a base, vocal, e o mixdown com o tempo restante.

3 - Existe alguma curiosidade sobre a Détente, que você possa nos contar para resgatar um pouco da história da banda aos fãs?

Dennis Butler e Dawn Crosby mudaram o nome da banda de Allies para Détente e tivemos dois shows marcados na Bay área de São Francisco no lendário Mabuay Gardens e Ruhies Inn; o problema é que eles tinham perdido o seu Guitarista e o Baixista. Ross Ronison e eu respondemos a um anúncio em um jornal local no mesmo tempo; eles tiveram uma demo com 3 canções para mostrar-nos, que incluía Shattered Illusions e Vultures in the Sky mas não tinha nenhum outro material. Tivemos aproximadamente um mês para nos prepararmos pros shows, então Ross e eu começamos a escrever a música e Dawn as letras, nós tocávamos todo dia e incluímos Losers, Murder Inc (não lançado mas você pode ver o vídeo no youtube) e Widow's Walk. Tocamos com Blind Illusion e Control e a galera ficou louca; conhecemos os caras do Metallica e do Exodus neste tempo e nos divertimos muito. Depois disto começamos a compor o novo material e entramos no estúdio para gravar Widow's Walk e um novo som que eu acabava de fazer, Holy War. Juntamos as duas novas canções e a demo e envíamos a todos os zines. Kerrang, Aardshock, Metal Forces, e Rock Hard todos pularam a bordo e começaram a apoiar a banda. Logo depois, os selos indepentes se interessaram

4 - Steve, como foi para a banda perder Dawn Crosby (1963-1996), já que ela estava desde o inicio com a Détente?

Fui muito triste quando descobri; eu não a via há uns anos portanto fiquei sabendo por um amigo. Era difícil trabalhar com ela algumas vezes mas era uma grande pessoa e artista talentosa; ela tinha problemas com drogas e bebidas, que estava fora de controle. Desejávamos que ela estivesse aqui mas não era para ser; perdemos muitos amigos daquele tempo....

5 - Na sua visão o que representa o trabalho da Détente e o álbum "Recognise No Authority" (1986)?

O Détente compõem e toca sons que realmente gostamos; nunca tentamos agradar alguém ou nos preocupamos se a cena metálica ou a cena punk nos aceitariam, então acabamos tocando músicas difíceis de rotular; se você escutou o “Blood I Bleed” ou “Losers” você pode pensar que somos Punk; se você escutou “Holy War”, “It’s Your Fate” ou “Catalepsy” talvez ache que é thrash; “Vultures in the Sky” ou “Russian Roulette” power metal; Junte elementos políticos e um vocal feminino e nós podemos ser considerados diferentes do mainstream. Este compromisso de sermos verdadeiros com nós mesmos consiste no que nos fez únicos e acredito porque a música ainda soa fresca hoje.

6 - A Détente tem muitos fãs pela América do Sul e pelo Brasil, existem planos futuros para o público brasileiro e sul americano?

Espero que sim. Depois do novo CD, faremos turnê na Europa e daremos o nosso melhor pra irmos ao Brasil e Colômbia; obrigado a todos pelo grande apoio. Queria que os EUA tivessem metade do coração da América Latina!

7 - Como está o andamento das gravações de “Decline”, anunciado em maio deste ano?

Escrevemos a maior parte das músicas e começaremos a gravar com Bill Metoyer em algumas semanas; ele esteve mudando de estúdio. O material é um pouco mais cru que Recognize, mas inegavelmente Détente. Se as pessoas estiverem se perguntando se amadurecermos, penso que não! Vou chegar ao fim da minha vida sem uma “balada” e estarei bastante orgulhoso disso!

8 - Sobre um segundo guitarrista, foi anunciado no site oficial sobre uma seleção, como está sendo feito esse processo para esse segundo guitarrista?

Tivemos muitos interessados mas não encontramos a pessoa certa ainda. Todo mundo se encaixa bem na banda portanto estamos procurando a personalidade certa assim como as habilidades na guitarra. Se tivermos de permanecer com 4 na formação, não tem problema.

9 - Em 2008 foi lançada a compilação Détente - Histoty I (Cognitive Records), como foi a repercussão deste lançamento?

History 1 está vendendo muito bem e também recebeu grandes criticas. Acho que as pessoas gostam de ter a possibilidade de ouvir-nos na nossa forma mais crua com a demo original e comparar com “Catalepsy”; “Obituary Fear” e “An Offering” quando estavam sendo compostos para a segunda gravação da Détente.

10 - Um recado aos fãs da Détente

Agradecemos o apoio e esperamos encontrar com todos vocês no próximo ano. No ano passado na Alemanha encontramos tantas pessoas que vieram de todo lugar do mundo não sabendo se tocaríamos novamente; planejamos trazer Détente a tantos lugares como pudermos no próximo ano, e queremos compartilhar muitas cervejas e histórias. Todos podem falar com a gente no e; não sejam tímidos!

Steve mais uma vez agradeço pela entrevista e pelo tempo que nos foi cedido, lhe desejo boa sorte e vida longa a Détente!

Obrigado Edson e HEAVY’OLUTION por tirarem um tempo pra falar comigo.

Edson F. Melo

Nenhum comentário:

Postar um comentário